Copa América de 2019Seleção Brasileira

Análise: O Grupo A da Copa América 2019

Saiba um pouco sobre os time do Brasil, Bolívia, Venezuela e Peru, o Grupo A na Copa América de 2019

O Grupo A da Copa América 2019 já está definido após o sorteio realizado nesta quarta-feira (25/01). Fazem parte do grupo da “sorte” para o Brasil, Bolívia, Venezuela e Peru. Um Brasil pressionado para vencer o título, o Peru confiante na manutenção do grupo, enquanto Venezuela e Bolívia tem esperanças em conquistar uma vaga nas quartas de final. 

Confira também as análises do Grupo B e do Grupo C da Copa América 2019

BRASIL

Melhor posição: Campeão 8x (1919, 1922, 1949, 1989, 1997, 1999, 2004, 2007)

Time Ideal

Análise: Em um grupo considerado fácil, a Seleção brasileira, sem dúvidas, é a favorita do grupo. A pressão, será para o Brasil vencer a Copa América, e apesar da performance pouco convincente na Copa da Rússia, isto não deve ser uma tarefa tão difícil quanto parece. A Seleção brasileira se classificou com quatro rodadas de antecedência nas eliminatórias para a Copa do Mundo de 2018, e sob o comando de Tite são apenas 2 derrotas em 32 partidas.

Um dos pontos fortes do Brasil, foi o sistema defensivo. Bem organizado, com Thiago Silva, Miranda e Casemiro vivendo bons momentos, e até mesmo Willian e Gabriel Jesus recuando para compor uma segunda linha de 4 na marcação. Porém a seleção mostrou dificuldades em criar as jogadas, sendo assim, ficando dependente das jogadas individuais de Neymar, Coutinho e Douglas Costa.

Destaque: CASEMIRO – um dos melhores meias defensivos do futebol atual. Exímio marcador, com média de 7 bolas recuperas por jogo, de acordo com o Wyscout, além de bom passe e um bom posicionamento. No jogo atual da seleção, Casemiro é crucial, o homem fixo que marca e protege a defesa. Suspenso contra a Bélgica, foi possível então ver a falta que o volante faz. O Brasil sofreu com os contra-ataques, já que não tinha ninguém para fazer o primeiro combate no meio-campo.

Técnico: TITE – Atualmente com 57 anos, o treinador assumiu uma seleção brasileira em crise e abalada com os seguidos maus resultados. O maior vexame da história do futebol brasileiro, a eliminação na Copa do Mundo de 2014 e eliminada na fase de grupos da Copa América Centenário, a seleção também ia mal nas eliminatórias para a Copa do Mundo de 2018. Com Dunga, o Brasil tinha 9 pontos de 18 disputados, muitos chegavam a cogitar que pela primeira vez na história a seleção brasileira não se classificaria para uma Copa do Mundo. Ao assumir o comando técnico, Tite venceu 8 partidas consecutivas, a maior sequência de vitórias do Brasil em eliminatórias, além da classificação com quatro rodadas de antecedência, como já dito anteriormente.

O treinador foi além das quatro linhas do campo, e com o sucesso obtido na seleção ainda virou estrela de comerciais, superando até mesmo o Neymar. Mas como nem tudo são flores… na Copa do Mundo, pela primeira vez Tite teve seu trabalho questionado. Questionamentos sobre o posicionamento de Gabriel Jesus e a escolha do mesmo em relação ao Roberto Firmino, além de não conseguir montar uma estratégia para criar chances de gol, durante a Copa. Porém, com todo o saldo positivo que conquistou, teve o contrato renovado para o ciclo da Copa de 2022, e a CBF diz não demiti-lo caso não vença a Copa América.

BOLÍVIA

Melhor posição: Campeão (1963)

Time Ideal

Análise: O 59º no ranking da FIFA, só fica à frente do convidado, Catar entre as seleções participantes da Copa América 2019. A La Verde pode ser considerada o azarão do grupo, qualquer seleção que perder ponto para a Bolívia sai atrás na corrida pelo título da Copa América. Nas eliminatórias para a Copa da Rússia, a Bolívia terminou em 10º, mas a equipe deve mudar a maneira de jogar, visto que além de um novo técnico, a seleção também tem jogadores que encerraram seu ciclo na seleção como Juan Carlos Arce e Ronald Raldes, jogador que mais vestiu a camisa da La Verde. E com jogadores jovens que devem ganhar mais espaço como Erwin Saavedra, Luis Haqin e Henry Vaca.

Destaque: MARCELO MORENO – é o segundo maior artilheiro da seleção boliviana até aqui, são 17 gols em 70 partidas. Até os dias atuais é o jogador boliviano mais caro da história, vendido do Cruzeiro ao Shakhtar Donetsk por R$ 23,6 milhões. Moreno jogou as Copa Amérias de 2011 e 2015, fez 2 gols em 7 partidas. O atacante chegou ainda a ficar cerca de 1 ano afastado da seleção boliviana, por desentendimento com o técnico na época, Julio César Baldivieso.

Técnico: EDUARDO VILLEGAS – tem 54 anos de idade, já treinou os principais clubes da Bolívia, e tem 6 títulos nacionais conquistados, o último pelo San Jose de Oruro, onde foi campeão do Torneio Clausura de 2018. Eduardo Villegas já assumiu o comando da La Verde interinamente em 2010, mas apenas neste ano foi contratado para ser oficialmente o técnico da Bolívia. O presidente da federação boliviana de futebol, César Salinas alegou até mesmo o apelo popular para explicar a escolha.

VENEZUELA

Melhor posição: 4º lugar (2011)

Time Ideal

Análise: Apesar de acostumada com os resultados ruins entre os sul-americanos, como por exemplo a lanterna das eliminatórias para a Copa do Mundo de 2018, a Venezuela vive uma fase em ascendência no futebol pode vir uma surpresa positiva na Copa América, ocupando uma das vagas de melhor terceiro colocado, ou até mesmo a 2ª vaga. Na última data FIFA, empatou com Irã e Japão, semifinalistas da Copa da Ásia. Sob o comando de Rafael Dudamel, que vem revolucionando o futebol venezuelano, a seleção venezuelana passa um momento de renovação, com a chegada da geração vice-campeã mundial sub-20 em 2017 à seleção principal. Wuilker Faríñez, Ronald Hernández, Yangel Herrera, Yeferson Soteldo, recentemente contratado pelo Santos e Sergio Córdova, são jogadores que já são convocados por Rafael Dudamel e devem fazer parte do grupo que virá a Copa América.

Destaque: SALOMÓN RONDÓN – o atacante de 29 anos tem tudo para se tornar o maior artilheiro da seleção Vinhotinto, já que está com 21 gols, a apenas um de igualar Juan Arango e Giancarlo Maldonado, na briga pela artilharia. Apesar de vir perdendo espaço na seleção, Rondón ainda é o atleta com mais experiência internacional entre os jogadores venezuelanos. Já jogou na Espanha, Rússia e obviamente, Inglaterra. No último país, é onde atua pelo Newcastle, além de ser a contratação mais cara da história do West Bromwich, outro clube inglês, cerca de R$ 65 milhões.

Técnico: RAFAEL DUDAMEL – tem 46 anos de idade, foi goleiro da Seleção Vinhotinto durante 10 anos. Iniciou sua carreira como técnico no Estudiantes de Mérida e já treinou o Deportivo Lara, e desde 2016 dirige as seleções de base e a principal da Venezuela. Participando da formação de jogadores, que ele mesmo comanda na seleção na principal, o treinador foi vice-campeão mundial sub-20 numa campanha histórica em 2017.

PERU

Melhor posição: Campeão 2x (1939, 1975)

Time Ideal

Análise: Grande candidata a 2ª vaga do Grupo. A seleção peruana passa por um bom momento e é atualmente a 20ª no ranking da FIFA. Se classificou para a Copa do Mundo de 2018, 36 anos depois, após se classificar em 5º para a repescagem, “tirando” a vaga do Chile, bicampeão da Copa América. Mostrando grande variedade tática, o Peru não perdeu nenhum amistoso de preparação para a Copa, onde enfrentou seleções europeias. 2 a 0 na Croácia, 3 a 1 contra a Islândia, 2 a 0 contra a Escócia e um empate sem gols com a Suécia.

Porém, a seleção peruana mostrou dificuldades ao enfrentar as seleções de maior nível da América do Sul. Nas eliminatórias para a Copa de 2018, não venceu Brasil, Colômbia, Chile e Argentina, pontuando em partidas com as seleções consideradas mais fracas atualmente, como Bolívia, Equador e Paraguai. Empatou duas vezes com a Venezuela, adversário no grupo. Repetir o futebol apresentado nas eliminatórias seria o suficiente para avançar para as quartas de final.

Destaque: PAOLO GUERRERO – o jogador peruano mais técnico atualmente, o maior artilheiro da história da seleção peruana com 36 gols, além de ser ídolo nacional no Peru. Guerrero foi artilheiro da Copa América de 2011 com 5 gols e de 2015 com 4 gols, ao todo são 11 gols em Copa América. O centroavante é reconhecido e foi considerado por jornalistas esportivos como o melhor pivô do futebol brasileiro durante alguns anos.

Técnico: RICARDO GARECA – um dos principais responsáveis pela volta a seleção peruana a Copa após 36 anos. Mostrou ter recursos, com a variação de estratégias que utilizou decorrer das partidas, das eliminatórias até a eliminação na Copa de 2018, o Peru jogou no 3-5-2, 4-1-4-1, 4-3-3 e 4-2-3-1, variando a estratégia de acordo com o adversário. E ainda encontrou uma solução que fez com que a seleção não caísse de rendimento após a suspensão do Guerrero por doping, utilizando Jefferson Farfán como falso nove, uma função que até então ele nunca tinha feito.

TABELA DO GRUPO A

Grupo A

1ª Rodada

14/6 – 21h30 – Brasil x Bolívia – Morumbi – São Paulo

15/6 – 16h – Venezuela x Peru – Arena do Grêmio – Porto Alegre

2ª Rodada

18/6 – 21h30 – Brasil x Venezuela – Fonte Nova – Salvador

18/6 – 18h30 – Bolívia x Peru – Maracanã – Rio de Janeiro

3ª Rodada

22/6 – 16h – Peru x Brasil – Arena Corinthians – São Paulo

22/6 – 16h – Bolívia x Venezuela – Mineirão – Belo Horizonte

Tags
Mais

Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar